hide message

What do you think about our communications?

Our website received over 2 million visits last year. We delivered briefings, analysis and met with hundreds of local groups across the world.

We want to understand our audiences better and ensure that our communications, content and products are meeting your needs and driving impact. We would be very grateful if you could input into a quick survey on our communications activities.

Please take 2 minutes to complete a short survey

Thank you

Go to survey hide message

This piece of content is part of a larger story, but that story is not available in your language. We do still recommend you read this content in the context of this story:

Parlamento Europeu aprova resolução que condena violência contra Guarani-Kaiowá no Brasil & alega que empresas devem prestar contas por dano ambiental e abusos de direitos humanos

Author: Viviane Vaz, Le Monde Diplomatique (Brazil), Published on: 29 November 2016

“Parlamento Europeu condena violência contra Guarani-Kaiowá no Brasil-Resolução aprovada por eurodeputados apela às autoridades brasileiras garantir a segurança dos povos indígenas”, 25 de novembro de 2016

O Parlamento Europeu aprovou…[no dia 24 de novembro]…resolução sobre a situação dos Guarani-Kaiowá no estado de Mato Grosso do Sul. Os eurodeputados condenaram os atos de violência perpetrados contra as comunidades indígenas no Brasil e pediram que seja elaborado um plano de trabalho que dê prioridade à conclusão da demarcação de todos os territórios reivindicados pelos Guarani-Kaiowá, considerando que “muitos dos assassinatos se devem a represálias relacionadas com a reocupação de terras ancestrais”…Em setembro, líderes indígenas apresentaram um relatório ao Parlamento da Suécia sobre o assassinato de indígenas ocorridos no Mato Grosso do Sul, um dos estados brasileiros que mais exportam carne à União Europeia. O relatório parece ter surtido efeito entre os demais deputados europeus. Segundo a resolução aprovada hoje, as empresas devem passar “a prestar contas por qualquer dano ambiental e por quaisquer violações dos direitos humanos por que sejam responsáveis”, e a UE e os Estados membros devem passar a “consagrar esta condição como princípio fundamental” em todas as políticas comerciais…

Read the full post here